O que muda com a licença paternidade?

paternidade1

A maioria dos pais conhece e sabe como funciona a licença maternidade, que concede à mãe o direito de permanecer em casa entre um período de 120 e 180 dias entre a fase final da gravidez e o período logo após o nascimento da criança.

Porém, a maioria dos pais não conhece e nem sabe muito como funciona a licença paternidade, um direito concedido ao pai da criança que pode permanecer um período em casa para cuidar do filho recém-nascido.

Até pouco tempo, a licença paternidade concedia apenas cinco dias de licença aos pais, um período praticamente ínfimo diante do nascimento de um filho e dos cuidados necessário com um recém-nascido. Porém, recentemente a justiça decretou uma extensão de mais 15 dias desse período, dando aos pais o direito de permanecer 20 dias em casa.

E é para explicar melhor o que acontece com essa mudança que separamos aqui algumas informações sobre a nova lei. Ficou curioso para saber mais? Confira!

A nova licença paternidade

Recentemente, a licença paternidade foi ampliada tanto para funcionários públicos federais, quanto para trabalhadores de empresas privadas. Se antes a lei permitia uma licença de 5 dias aos pais de recém-nascidos, agora dá o direito a uma licença de 20 dias ao mesmo.

familiaa

A mudança já está valendo tanto em empresas públicas quanto em empresas privadas e funciona da seguinte maneira. Os trabalhadores pais agora vão poder tirar os cinco dias de licença que já eram estabelecidos pela antiga lei e, quando este prazo tiver terminado, automaticamente terão concedidos aos mesmos mais 15 dias de licença para cuidar da criança.

De acordo com a nova regra, a medida vale também para pais de crianças adotivas e pode ser pedida após a adoção de crianças de até 12 anos. Além disso, a prorrogação da licença paternidade só será concedida ao trabalhador que pedir o benefício a sua empresa dentro do prazo de dois dias úteis após o nascimento de seu filho.

Porém, é preciso prestar atenção se a sua empresa acatou à nova regra. Isso porque a extensão do benefício só é obrigatória e válida para os funcionários de empresas que façam parte do Programa Empresa Cidadã. Caso você trabalhe como funcionário público, o benefício poderá sim ser aplicado a você.

Também é importante lembrar aos pais que não tenham medo de exercer o seu direito e tirar os dias de licença paternidade a que vocês têm direito. Isso porque, da mesma forma que acontece com a mãe que está em licença maternidade, o funcionário que está de licença paternidade vai sim receber o seu salário de maneira integral, sendo isso um direito do funcionário configurado por lei.

Portanto, basta observar se a sua empresa vai oferecer a extensão do benefício e desfrutar da licença que é direito do funcionário como pai. Afinal de contas, cuidar de um recém-nascido não é tarefa fácil e não é e nem deve ser tarefa exclusiva da mãe.

Fisioterapia: novo serviço oferecido aos clientes Coname

Os elevados índices de doenças osteomusculares ocasionadas pelo trabalho – esforço contínuo, movimento repetitivo, postura permanente e/ou inadequada – e os maus resultados dos tratamentos fisioterapêuticos em geral, fazem com que o trabalhador permaneça inativo por longos, e às vezes, injustificados períodos de tempo. Para agravar ainda mais a situação, muitas vezes o funcionário acaba sendo liberado pelo sistema público de saúde, mesmo ainda não tendo totais condições clínicas, acarretando em sequelas graves na vida dessas pessoas.

Esses insucessos geram custos altos às empresas e deixam uma sensação de insegurança social difícil de remediar. Isso ocorre porque o trabalhador vê que sua incapacidade não foi tratada adequadamente e isso acaba se tornando um motivo de dispensa e desemprego.

Motivada por esta situação, a CONAME credenciou a Clínica Dr. Carlos Augusto Cauchioli, empresa de referência em fisioterapia em São Paulo, e coloca-la à disposição de suas empresas clientes. A mesma estará atendendo nossos encaminhamentos nos mesmos valores praticados às empresas de medicina de grupo.

Como agendar?

Para agendar uma consulta, basta que as empresas entrem em contato com a CONAME para uma avaliação prévia, que será realizada pelo Dr. Mario Gigli ou pela Dr. Lorena.

10 passos para eliminar o Aedes aegypti da sua empresa

Todos os dias deparamos com cartazes, outdoors e materiais de conscientização do Ministério da Saúde sobre como nos proteger do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, do zica vírus e do chikungunya.

O combate, porém, não deve ser feito apenas em casa ou nas ruas. É preciso haver conscientização dentro das empresas para que o mosquito seja eliminado.

Em fábricas, construções ou indústrias, é comum a incidência do mosquito por causa do grande armazenamento de lixo, dos materiais descartados e de depósitos que, durante a chuva, acumulam muita água e ajudam na proliferação dos mosquitos.

Pensando nisso, fizemos 10 passos para auxiliá-lo na hora de combater o mosquito dentro de sua empresa.

Passo 1: Vedar a caixa-d’agua

É preciso ficar atento à caixa-d’agua de sua empresa, limpando-a sempre que possível, além de deixá-la tampada adequadamente para impedir a entrada do mosquito.

Passo 2: Descartar lixos e recicláveis de forma que não se acumule água

Fique atento ao modo como o lixo e os recicláveis estão sendo descartados. Sempre os deixe dentro de sacos que impeçam a entrada de água, além de colocar o descarte em um local que não corra o risco de tomar chuva até a coleta de sua cidade chegar.

Passo 3: As calhas devem estar sempre limpas e desentupidas

É comum juntar muita sujeira nas calhas e nos telhados, devido a ventos, folhas das árvores e poeira.

Mas é preciso limpá-las sempre que necessário para impedir que entupam, e assim não se crie a possibilidade de formar uma poça de água em dias chuvosos.

Passo 4: Galões, tambores e afins devem ser lacrados

Os galões e os tambores utilizados ou descartados da empresa devem ser depositados vedados em locais cobertos para evitar o acúmulo de água dentro deles.

Passo 5: Lonas devem estar bem esticadas

Caso sua empresa lide com  lonas de cobertura, elas devem ser esticadas de forma que impossibilite a criação de poças em dias chuvosos, eliminando assim a chance de proliferação do mosquito naquele lugar.

Passo 6: Vasos sanitários sem uso constante devem estar com a tampa fechada

Caso haja algum banheiro que não seja usado com frequência, oriente seus funcionários a sempre deixar a tampa abaixada.

Além disso, é preciso limpar e passar água sanitária ou desinfetante semanalmente.

Passo 7: Evitar buracos ao redor do terreno

Com o tempo, e se houver máquinas trabalhando em sua empresa, é provável que se criem depressões no terreno, e isso pode vir a formar poças – um ótimo lugar para o mosquito se proliferar.

Então procure sempre preencher os buracos com areia ou pó de pedra.

Passo 8: As bandejas do ar-condicionado devem estar sempre limpas e sem água

Procure colocar a caixa do ar-condicionado de forma que não haja o risco de juntar água. Além disso, a mantenha sempre limpa.

Passo 9: Não guarde pneus velhos em lugares descobertos

Sabe aquele pneu que rasgou, ou que está jogado no depósito sem utilidade alguma? Observe se não há acúmulo de água dentro dele e se possível entregue ao serviço de limpeza da sua cidade para que eles possam tomar as providências necessárias para o descarte.

Passo 10: Mantenha a  comunicação com seus funcionários

É muito importante cuidar para que se elimine de vez o Aedes aegypti de sua empresa, porém é preciso um trabalho coletivo para que dê tudo certo. Sendo assim, aconselhe seus funcionários a nunca jogar lixo em lugares indevidos.

Dentro ou fora da empresa, é necessário fazer o melhor para que o mosquito seja eliminado de uma vez e pare de fazer vítimas  pelo país inteiro. Se cada um fizer sua parte, o mundo será cada dia melhor.

O prejuízo do H1N1 no orçamento das empresas.

O vírus da gripe H1N1 voltou com força total e, com ele, os impactos nos orçamentos de muitas empresas. Um funcionário doente traz altos custos para uma organização, por este motivo, é fundamental a adoção de medidas preventivas no ambiente de trabalho.

Tente imaginar o seguinte: quando uma pessoa infectada espirra ou tosse, o vírus H1N1 pode ficar por muito tempo instalado em superfícies lisas, como mesas, papéis, dinheiro ou em qualquer outra área em que haja umidade.

Já pensou se isso acontece em uma empresa de médio porte, por exemplo? O número de pessoas contaminadas pode crescer rapidamente, trazendo impactos no orçamento, na produtividade e no negócio como um todo.

O que os gastos de fato representam?

h1n1_interno

Ter um funcionário doente significa ter gastos a mais. É claro que, em situações assim, os custos com planos de saúde, por exemplo, chegam a quase 20% a mais do orçamento inicial previsto por uma organização.

Entretanto, ter uma pessoa a menos no quadro de funcionários causa impacto direto em todos os níveis de produtividade e desempenho de uma organização. Além disso, contratar um profissional temporário, já havendo gastos com o adoentado, pode não ser uma opção viável.

Como as empresas podem se prevenir?

Entrar em contato com empresas especializadas para realizar a vacinação corporativa é a melhor forma de prevenir. Para não haver dúvidas de que todos os funcionários foram imunizados do vírus, a CONAME, através de um laboratório credenciado, realiza vacinação na própria empresa que contratar o serviço.